sábado, 21 de novembro de 2009

NATUREZA EM FAMÍLIA

Olá prezado Luís Lemos:

Confesso que ao ver o vídeo e o seu carinho, cheguei às lágrimas. Infelizmente, poucas pessoas conseguem compreender estas coisas. Saiu daqui do estúdio há poucas horas o meu amigo Marcelo e falávamos sobre isto. Ainda não havia aberto seu e.mail. Realmente é magia pura, difícil de descrever. Muito obrigado pelo incentivo e que o Deus que o Marcelo e eu cremos, continue te dando forças para enfrentar esses gulosos predadores de Nova Lima, porque por aqui, infelizmente, perdemos a batalha, a devastação prossegue, a cidade está perdendo seu encanto, seu frescor, seu verde e já não tenho forças de continuar a luta. Reluto até em abrir o sub-blog http://pindamonhangabapedesocorro.blogspot.com para postar umas dezenas de tocos novos que tenho para divulgar, pois fico mal, muito mal mesmo, enquanto as hienas riem a mais não poder.

Abração Luís Lemos e mais uma vez, obrigado.Sérgio.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

domingo, 1 de novembro de 2009

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE

O vídeo também pode ser visto na página do MGTV:

http://globominas.globo.com/GloboMinas/Noticias/MGTV/0,,MUL1357944-9033,00.html

No Jardins de Petrópolis, também há vários locais onde lixo e entulho estão sendo jogados, alguns deles em área de preservação permanente (margens de córregos e nascentes) (veja o vídeo da postagem abaixo). Tanto a Associação de moradores, quanto a prefeitura, tem conhecimento desse lixo e não providenciam a sua retirada. Por que será? Falta de recursos? Desinteresse? Ou porque a imprensa ainda não divulgou? Será que pode ser também porque quem joga o lixo e o entulho é "amigo" e "sócio"?

Luís Lemos - morador do Jardins de Petrópolis

Caríssimo Luís, a situação é gravíssima e chocante. Aqueles que foram eleitos para cuidar e zelar do patrimônio público são os primeiros a dilapidá-lo. O caminho é o Ministério Público. Também existe a Delegacia Especializada em Ecologia e Preservação da Qualidade de Vida / DEPQVE. Caso você queira ir até lá, prontifico-me em apresentá-lo, pois já fiz algumas perícias para eles e conheço toda a equipe, o delegado, inspetores e investigadores. São pessoas do bem.

Abraços, Marcelo Barbosa - Analista e Consultor Ambiental.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

O JARDINS CONTINUA UM LIXO

Após assistirem o vídeo, cliquem nos títulos abaixo e saibam tudo sobre essa questão, que se arrasta há anos, sem que nenhuma atitude eficaz seja tomada:

Essa questão também está em: http://www.ecoeantigos.blogspot.com/ Obrigado, mais uma vez, ao Sérgio do ecoeantigos!

Luís Lemos - morador do Jardins de Petrópolis

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

COMUNIDADE PREJUDICADA, MAIS UMA VEZ

A IRRESPONSABILIDADE, o CRIME cometido contra a natureza na abertura da rua Sagaranas, arquitetada e executada pelo “Condomínio” Jardins de Petrópolis (saiba tudo assistindo o vídeo no início desse blog), prejudicaram, mais uma vez, a comunidade do JP. A abertura da rua ocorreu na MARRA, sem projetos e licenças ambientais, e desobedecendo EMBARGO feito por autoridades policiais. Um trator da Secretaria de Obras da Prefeitura, a pedido do condomínio, realizou a terraplenagem. O assessor do Secretário de Obras nos informou que membros do Conselho Gestor do condomínio, em reunião realizada um dia antes da terraplenagem ocorrer, omitiram, não informaram sobre o embargo da área. Assim que o assessor tomou conhecimento do embargo, ele ordenou a retirada imediata do trator do bairro. Mas já era tarde. Todo o trecho, de quase 1km, já tinha sido terraplenado. A Polícia Ambiental autuou a Prefeitura pela desobediência ao embargo e multou novamente o "condomínio". Palavras do assessor: “Nós fomos ENGANADOS pela Associação Jardins de Petrópolis”. Ele nos disse também que devido ao ocorrido, tão cedo a máquina da Prefeitura não voltará ao Jardins para realizar serviços, entre eles, arrumar as ruas. Agora, a responsabilidade está sendo transferida para os cidadãos, que são quem “pagam o pato”, quem acabam tendo que assumir o prejuízo causado pela IRRESPONSABILIDADE e OMISSÃO do condomínio. A faixa da imagem acima (clique nela para ampliá-la), colocada pelo condomínio na principal entrada de acesso ao bairro, é a prova disso. E o que está por trás da abertura ILEGAL da rua Sagaranas? Especulação imobiliária? Interesses individuais? Com certeza as duas coisas. Corretores de imóveis são os mais interessados na abertura, para venderem lotes. A especulação imobiliária no condomínio é altíssima, fortíssima. No trecho desmatado e terraplenado já há lotes sendo vendidos. A sub-síndica e seu esposo possuem lotes nesse trecho. Ela era um dos membros do Conselho Gestor do condomínio que esteve na reunião realizada entre essa instituição e a Secretaria de Obras. Qualquer interferência no meio natural tem que ser feita com licenças ambientais, dentro da LEI, e no caso da abertura da rua, também com projetos devidamente aprovados e seguindo-se todos os trâmites técnicos exigidos pela legislação (colocação de manilhas, bocas de lobo, canaletas de escoamento pluvial, meios-fios, etc.). E não na MARRA, NA ARROGÂNCIA, ILEGALMENTE. Esse e outros fatos já ocorridos no Jardins mostram que a especulação imobiliária, aliada a interesses individuais de “amigos” e “sócios”, tomam conta da região. E o patrimônio natural é colocado em segundo, ou melhor, em último plano, contradizendo os discursos, HIPÓCRITAS, em defesa da natureza que são comumente proferidos através de “poesias” e textos ecológicos publicados nos informativos do “condomínio”.
"A arrogância do coração é atributo dos homens de bem; a arrogância de modos é atributo dos imbecis ". ( Charles Pinot Duclos )
Luís Lemos, cidadão, morador do Jardins de Petrópolis

domingo, 6 de setembro de 2009

ANIVERSÁRIO DE TRÊS ANOS

O grupo amigo e defensor de invasores de áreas verdes PÚBLICAS de preservação ambiental, que tem como participantes, fundadores da ONG ambiental (*) criada no bairro, está eufórico, cantando parabéns. O último dia 26 de agosto foi aniversário de três anos da “legalização da invasão” da área verde PÚBLICA de preservação ambiental e de manancial da rua dos Jacarandás (entre os lotes 02 e 30 da quadra 6). A casa, a piscina e a área de lazer da proprietária do lote 30 da quadra 6, construídas dentro da área PÚBLICA, deixaram, como num passe de mágica, de pertencerem à área de preservação (clique na imagem acima para ampliá-la). Ela teve toda a ajuda e empenho do “Condomínio” Jardins de Petrópolis, e de um amigo, que à época, era o síndico, para ficar impune e não ter que realizar nenhuma compensação ambiental. Uma lei (Lei 826/2006), votada e aprovada em um sábado, oito horas da manhã, através de sessão extraordinária (o Legislativo funciona aos sábados?), foi criada no município exclusivamente para atender a “ex-invasora”. Na legalização, ela ficou com a melhor parte da área verde, deixando as "beiradas" para a comunidade. Hoje, o amigo dela é membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA de Nova Lima. Ano que vem, aniversário de quatro anos, lembraremos novamente dessa data FÚNEBRE.
"Leis são como salsichas. É melhor não ver como elas são feitas.." (Otto von Bismarck )
(*) Quem sustenta essa ONG? Leia texto sobre ela no final desse blog, com o título: "Alerta aos cidadãos de Nova Lima"
Luís Lemos, defensor incondicional das áreas verdes PÚBLICAS do Jardins

domingo, 16 de agosto de 2009

ATENTADO CONTRA DIREITO À INFORMAÇÃO

Esticamos na principal entrada de acesso ao Bairro Jardins de Petrópolis, uma faixa que informava sobre a autuação e multa que o “Condomínio” Jardins de Petrópolis recebeu da Polícia de Meio Ambiente por desmatamento, sem licenças ambientais, de quase 5.000 (cinco mil) m² de mata nativa em regeneração do bioma Mata Atlântica, o segundo mais ameaçado do planeta (assitam o vídeo no começo desse blog). A faixa estava em um local que não atrapalhava nada, nem ninguém, e nós permanecemos o tempo todo presentes (clique na imagem acima para ampliá-la). O nosso objetivo sempre foi informar, mostrar o que vem ocorrendo no bairro e que não é divulgado. Num determinado momento, tivemos que nos ausentar para ajudar uma ambulância que veio ao Jardins para atender a um chamado de uma vítima de acidente. Acompanhamos a ambulância e, quando retornamos, meia hora depois, nos deparamos com a nossa faixa cortada, provavelmente com uma tesoura. Perguntamos ao porteiro quem foi o responsável, o COVARDE que a cortou, e ele disse que foi um rapaz numa motocicleta que parou, cortou e foi embora. O porteiro não quis prestar maiores esclarecimentos e se mostrou um pouco ansioso, nervoso, estava até gaguejando. Alguns dias após esse ocorrido, recebemos um recado do mesmo porteiro que estava no dia da faixa cortada, dizendo que agora estamos proibidos de esticar nossas faixas. Segundo ele, só poderemos esticá-las das cancelas, que ficam em vias públicas, para fora. Baseados nesses acontecimentos, questionamos:
  • Esticar faixas informando e divulgando o que vem acontecendo de ilegal, de criminoso, de vergonhoso, de podre com o patrimônio PÚBLICO e ambiental da região, não pode?
  • Desmatar, ilegalmente, na "marra", sem licenças ambientais, quase 5.000 m² de mata nativa em regeneração do bioma Mata Atlântica, pode?
  • Desmatar, ilegalmente, sem licenças ambientais, área de preservação permanente (margens de córregos e nascentes), pode?
  • Desobedecer, passar por cima de embargo feito por autoridades policiais, para terraplenar, sem estudos técnicos e licenças ambientais, área que possuía mata nativa em regeneração do bioma Mata Atlântica, com árvores de pequeno, médio e grande porte, pode?

Em que bairro, ou melhor, em que país estamos? Aaah!! Tínhamos nos esquecido.... Estamos no Brasil! O país das ilegalidades, da impunidade, da corrupção, dos mensalões (uma curiosidade: no Jardins de Petrópolis moram um ex-sócio e um ex-diretor da empresa de publicidade do pivô do mais famoso mensalão desse país), dos atos secretos, dos acordos, dos favorecimentos aos “amigos” e "sócios", das mentiras, da hipocrisia, e por aí vai...

"Corrupção, a partir de certo nível, exige que todos sejam corruptos. Quem se recusa é alvo de pressões insustentáveis. É um processo de seleção negativo." Ladislau Dowbor

Luís Lemos - morador do Jardins de Petrópolis

sábado, 11 de julho de 2009

ONDE ESTÁ A PAVIMENTAÇÃO ECOLÓGICA?

QUANDO TEREMOS UMA FAIXA COM OS DIZERES:
A PAVIMENTAÇÃO ECOLÓGICA VEM AÍ!
Clique no link: http://www.jornaldobelvedere.com.br/images/pag20mar08.jpg e leia reportagem sobre essa questão (clique na imagem acima para ampliá-la)
Luís Lemos - morador do Jardins

segunda-feira, 25 de maio de 2009

PROTESTAMOS, CODEMA!!











Conselho de Defesa do Meio Ambiente, que em Nova Lima o nome mudou para Conselho Municipal de Desenvolvimento Ambiental - CODEMA. É um órgão com competência para propor diretrizes para a política municipal de meio ambiente, além de manter a comunidade informada sobre as questões ambientais. Em Nova Lima, o CODEMA está sendo reativado. Será composto por 14 conselheiros que se inscrevem, sendo “aceitos”, e não eleitos, e presidido pelo Secretário Municipal de Meio Ambiente. Dentre esses conselheiros há representantes de segmentos da sociedade civil, assoc. comunitárias, ONGs, empresários, além de órgãos públicos estaduais/federais.

Um proprietário de chácara, e “membro vitalício” da Associação/Condomínio Jardins de Petrópolis, foi aceito como um dos conselheiros do recém reativado CODEMA de Nova Lima (foto acima). Em 2002, ele e um amigo, que à época, era também conselheiro do CODEMA, foram os mentores e idealizadores de uma proposta que quase transformou uma área verde PÚBLICA de preservação ambiental com nascente e córrego, sendo uma das principais áreas de preservação de mananciais do Jardins, em área para construção de prédios públicos e estabelecimentos comerciais. Ele também teve participação direta em outras situações que prejudicaram muito a comunidade, a coletividade, o meio ambiente de Nova Lima:
  • Em 2005, a comunidade deixou de ganhar um Centro de Educação Ambiental e a revitalização e recuperação dessa mesma área verde pública que esse recém aceito conselheiro do CODEMA quis transformar em área para construção de prédios públicos e comércio. Um empresário de NL custearia a construção do Centro e a revitalização de parte dessa área verde, onde os cidadãos poderiam ter oficinas de meio ambiente. Segundo a funcionária do órgão ambiental envolvido no processo, a falta de interesse do condomínio, cujo síndico era esse recém aceito conselheiro do CODEMA, foi o motivo para a não construção do Centro e da revitalização da área verde. O prejuízo sócio-ambiental é incalculável (clique aqui e leia documento e texto sobre essa questão);
  • Também em 2005, o condomínio, apenas três meses depois de não ter se interessado pela construção do Centro e da revitalização da área verde, expediu, pela segunda vez, “parecer favorável” para a "legalização de invasão" de um proprietário de chácara que tinha a sua casa, sua piscina e sua área de lazer construídas dentro de outra área verde pública do bairro. Não houve debate com a comunidade, audiência pública, discussões que poderiam definir medidas compensatórias que beneficiassem a coletividade, o meio ambiente;
  • Em 2006, durante a tramitação do processo de “legalização da invasão” na Câmara, esse recém aceito conselheiro do CODEMA ajudou o invasor/amigo, fazendo lobby(*) junto aos vereadores e solicitando urgência na votação do projeto de lei que deixou o invasor impune e beneficiado (clique aqui e leia texto sobre essa questão);
Baseados nesses fatos, vimos protestar, manifestar o nosso repúdio à aceitação desse proprietário de chácara do Jardins em um Conselho que tem, entre outras atribuições, a defesa do meio ambiente. Não confiamos e não acreditamos em quem, enquanto membro e síndico da Associação/Condomínio Jardins de Petrópolis, não agiu com transparência, não atuou de forma imparcial, priorizando o interesse coletivo e combatendo os que estão desrespeitando e degradando o patrimônio público e ambiental dos nova-limenses. Ressaltamos, que a grande maioria dos proprietários de chácaras do Jardins nem de Nova Lima é.
(*) Fazer lobby é basicamente tentar influir sobre alguém que toma decisões para que uma decisão específica seja a mais favorável possível a uma parte interessada (Fonte: Lobby. O que é. Como se faz. Ética e transparência na representação junto a governos – Editora Peirópolis)

Tivemos a informação de que a Ordem dos Advogados do Brasil - OAB, uma das instituições mais idôneas, sérias e confiáveis do país, defensora dos cidadãos, da cidadania, não foi aceita no CODEMA de NL. 
 
"O remédio das injustiças é o esquecimento" ( Publílio Siro ) 
Luís Eduardo Lemos, cidadão, morador do Bairro Jardins de Petrópolis

quarta-feira, 13 de maio de 2009

CAETÉ, O JP E AS ÁREAS VERDES

No município de Caeté, também na região metropolitana de BH, a comunidade é contra invasões de áreas verdes PÚBLICAS. Lá ela reage e não deixa que o espaço público seja tratado como terra de ninguém, e quaisquer tentativas de se apoderar dos bens coletivos não são permitidos. Os interesses individuais não são colocados acima dos interesses coletivos. Lá eles dizem: ÁREAS VERDES, AQUI NÃO!!
"É o que responde a própria comunidade e aciona o CODEMA contra as invasões, agressões e arbitrariedades cometidas por alguns que pensam que Áreas Verdes são terra de ninguém e vão puxando uma cerquinha; se apossando de um bem público. De tipos assim, a comunidade já mostrou nas urnas, quer ver pelas costas". De acordo com a lei federal 9.605 artigos 38, 39 e 40 a pena para os casos de danos diretos ou indiretos, como invasão, pode variar de 1 a 5 anos de prisão (clique na imagem acima e conheça a comunidade que reage e não permite que áreas verdes PÚBLICAS sejam invadidas).
Já em Nova Lima, no Jardins de Petrópolis, invasor vira vítima, ganha lei, fica impune e ainda é denfendido e protegido por instituições e pessoas que deveriam combater quem se apossa do patrimônio PÚBLICO!!
"A impunidade é segura, quando a cumplicidade é geral." ( Marquês de Maricá )
Luís Lemos, defensor incondicional das áreas verdes públicas

terça-feira, 28 de abril de 2009

VESTINDO A CARAPUÇA

A Associação Comunitária Jardins de Petrópolis, vulgo, “Condomínio Jardins de Petrópolis”, se achando prejudicada pela matéria publicada no Jornal Nova Lima Times, edição de 15 a 21 de janeiro de 2009, cujo o título é “Cão ataca quatis e leva a pior no bairro Jardins de Petrópolis” (leia a matéria nesse blog sob o título "Jardins na mídia, mais uma vez"), enviou carta ao jornal informando que não é responsável pelo tratamento destinado à fauna local. Em resposta à Associação, o jornal emitiu uma nota: “O jornal não procurou a Associação para repercutir a citada reportagem porque em momento algum houve qualquer acusação contra essa entidade” (clique na imagem acima e leia o texto). Já que a Associação se sentiu prejudicada, mas achamos que ela acabou foi VESTINDO A CARAPUÇA, pois, nem citada na reportagem ela foi, nós, cidadãos que enviamos a matéria ao jornal, emitimos aqui a nossa nota, a nossa opinião: A Associação é sim, juntamente com os proprietários de chácaras que ela representa, responsável pelo tratamento dado, não só à fauna, mas a toda biodiversidade da região. E acrescentamos:
  • a Associação se acha co-responsável pela segurança do bairro, por isso instalou portarias e cancelas, em vias públicas, nas duas entradas de acesso ao bairro;
  • a Associação se acha co-responsável pela pavimentação das ruas do bairro, por isso investiu (ou gastou?) R$ 15.000,00 (quinze mil) em um projeto de drenagem de águas, contenções e pavimentação, diga-se de passagem, que até hoje não saiu do papel;
  • a Associação se acha responsável e com autonomia de órgão ambiental para ajudar e defender invasor de área verde PÚBLICA de preservação ambiental, por isso expediu, por duas vezes, “pareceres favoráveis” à legalização de uma invasão, além de se empenhar e ajudar o invasor a sair impune e ainda ganhar uma lei, exclusivamente, para atender o interesse dele;
  • a Associação se acha responsável em promover ONG criada por alguns de seus associados, por isso bancou, custeou, como um “cartão corporativo”, mais de R$ 1.000,00 (mil) em eventos onde essa ONG tentou se promover: R$ 300,00 em evento em NL em 2007 - R$ 850,00 em churrasco em 2008 (Fonte: balancetes da Associação);
  • a Associação se acha responsável por pedir socorro ao Poder Público para melhoria da infraestrutura do bairro, por isso pagou R$ 900,00 (novecentos) para publicar texto em guia comercial de NL. Até agora o pedido de socorro não foi atendido e não adiantou PRANADA.

Logo em questão que envolve ameaça à preservação de espécies da fauna nativa brasileira, como mostrou a reportagem, a Associação/Condomínio Jardins de Petrópolis não se acha responsável? Por que será que a Associação vive fugindo da responsabilidade? Será que é porque...... melhor ficarmos calados!

"Você não consegue escapar da responsabilidade de amanhã esquivando-se dela hoje." (A. Lincoln)

Luís Lemos, morador do Bairro Jardins de Petrópolis

sábado, 4 de abril de 2009

INDIGNAÇÃO E REVOLTA EM NOVA LIMA

Cidadãos nova-limenses, diante das notícias e reportagens sobre degradações ambientais que vem ocorrendo no Jardins de Petrópolis, e que estão sendo publicadas há tempos nos principais jornais do município, e até mesmo do estado, começam a se indignar e revoltar contra a omissão e o descaso que no bairro prevalecem (clique nas imagens acima para ampliá-las e ler os textos). A maioria dos proprietários de chácaras do Jardins são de classe média/média alta de BH (há propriedade no bairro avaliada em R$ 2 milhões), que usufruem da região nos finais de semana. O bairro possui uma rica biodiversidade que está ameaçada por degradações que podem comprometer a preservação do patrimônio natural dos nova-limenses. Dentre elas, podemos citar: a perfuração descontrolada de poços artesianos (estima-se que o número já chegue a 60 poços), o que pode comprometer os mananciais da região; cães de proprietários de chácaras que ficam soltos pelas ruas e áreas de preservação atacando e matando a fauna silvestre; invasões de áreas verdes públicas de preservação ambiental por proprietários de chácaras; “acordos” feitos com os invasores, onde eles saem impunes e sem ter que compensar os prejuízos causados ao patrimônio público e ambiental; lixo doméstico e entulho de construções sendo despejados em ruas e córregos; não uso de fossas sépticas e filtros anaeróbios para disposição de esgotos sanitários (o JP não possui rede pública), além de diversas outras situações. Em nossas idas a Nova Lima, onde entregamos e distribuímos nossos textos e informativos sobre meio ambiente da região, temos recebido várias manifestações de cidadãos indignados com o que está acontecendo no bairro. Teve cidadão que comparou o JP com algumas regiões do Estado do Pará, onde a grilagem, as invasões de terras públicas e o descumprimento às leis são comuns e nada acontece. Outros perguntam se com tanta degradação ocorrendo, não existe nenhuma instituição na região, juntamente com a Prefeitura, que dê um basta, que tome alguma providência para o fim delas. Enquanto medidas e atitudes enérgicas e com imparcialidade, doa a quem doer, não forem tomadas, objetivando a preservação do patrimônio natural do Jardins, reportagens continuarão sendo publicadas, e a indignação e revolta, não só dos cidadãos nova-limenses, mas de todos que querem a natureza respeitada, serão cada vez maiores e mais constantes.
"Se nos sentarmos agora, podemos ser atropelados mais tarde." ( Franklin D. Roosevelt)
Luís Lemos, morador do Bairro Jardins de Petrópolis

quarta-feira, 18 de março de 2009

"LAVANDO AS MÃOS?"

“A Associação Comunitária Jardins de Petrópolis não credencia fiscais tampouco promove denúncias, porque acredita no zelo do proprietário com o Meio Ambiente”
A frase acima faz parte de um texto que está afixado no quadro de avisos na Sede da Associação Comunitária Jardins de Petrópolis, também conhecida como “Condomínio Jardins de Petrópolis” (clique na imagem acima para ampliar e ler o texto). Ela nos causou estranheza e dúvidas, o que nos fez questionar: O povoamento crescente e o aumento do número de obras e construções no Jardins de Petrópolis, e consequentemente, os desmatamentos e outras atividades como exploração das águas da região, além de várias outras interferências no meio natural que ocorrem quando essas obras são realizadas, podem comprometer, caso não tenham licenciamento ambiental e os projetos aprovados, o meio ambiente de toda região. O JP está distante da Sede do município, o que dificulta muito a fiscalização pelo Poder Público. Algumas obras e atividades nos terrenos são iniciadas sem o licenciamento e sem o projeto aprovado pela Prefeitura. O Condomínio tem no seu estatuto (item D do artigo 1°): “atuar pela preservação das reservas naturais e mananciais de água da região, mantendo o equilíbrio ecológico”. Perguntamos a um advogado se condomínios e associações comunitárias podem ser responsabilizados, caso os condôminos e associados não respeitem as leis ambientais e causem danos ao meio ambiente. A resposta dele foi: “A responsabilidade civil decorre da prática de atos ilícitos, decorrentes de uma ação ou omissão, nos termos do art. 927 do Código Civil. Compete ao síndico, diante da evidência de práticas que possam prejudicar o meio ambiente, tomar as medidas cabíveis, sob pena do condomínio vir a responder perante aos órgãos públicos, em especial junto ao Ministério Público. Caso o síndico não tome as devidas providências poderá haver demandas contra o condomínio, que acabará por afetar o bolso dos demais condôminos que serão penalizados com multas aplicadas pelo Poder Público.” A Constituição Federal Brasileira, no Art.225, diz: “(...) impondo-se ao Poder Público e à coletividade, o dever de defendê-lo (o meio ambiente) e preservá-lo (...)”. Inúmeras são as ocorrências, os casos de degradação ambiental, o desrespeito à biodiversidade e desobediência às leis que alguns proprietários de terrenos do Jardins cometem ao iniciar atividades e obras nas suas propriedades. Baseados nessas considerações, perguntamos: Essa postura do “Condomínio Jardins de Petrópolis” de não informar aos órgãos competentes sobre obras e interferências no meio natural, para que sejam fiscalizadas e verificado se possuem licenças, é uma postura correta? O Condomínio, quando afirma que não informa aos órgãos, porque acredita nos proprietários, que são na maioria seus associados, não está “lavando as mãos”, “tirando o corpo fora”, fugindo da responsabilidade de agir para a proteção e preservação do meio ambiente?
Dê sua opinião sobre esse assunto votando na enquete ao lado (coluna da direita, acima)

Esse texto foi publicado também em: http://massote.pro.br/2009/03/lavando-as-maos-luis-lemos/

Luís Eduardo Lemos - morador do Bairro Jardins de Petrópolis

domingo, 1 de março de 2009

PRESERVEJP nos 308 anos de Nova Lima

Nova Lima fez 308 anos no mês de fevereiro. A população comemorou e homenageou a tricentenária. E nós, que há 32 anos vivemos no Bairro Jardins de Petrópolis, região de rica biodiversidade que adotamos como nossa casa, não podíamos deixar também de homenageá-la. E essa homenagem veio através do Jornal Folha de Nova Lima. Fomos convidados, juntamente com outras quatro personalidades, outros quatro cidadãos nova-limenses, a participar da matéria “Nova Lima, um lugar, um presente, uma pergunta....”, o que nos possibilitou divulgar o nosso lugar preferido, o nosso recanto no JP onde, quando crianças, brincávamos e andávamos em um barquinho. Referimo-nos à área verde PÚBLICA de preservação ambiental (parque ecológico) da rua Amendoeiras, que possui nascente e córrego, e que tem como guardião, ao fundo, o Morro do Pires (clique na imagem 1 acima para ampliá-la e ler o texto). Ela é uma das principais áreas de preservação de mananciais do bairro, e com o passar dos anos foi sendo abandonada, o mato cresceu, o laguinho assoreou-se e, de um quiosque que nela existia, hoje só há ruínas. Essa área verde também já passou por duas situações, uma que poderia ter prejudicado o meio ambiente de toda região e outra que prejudicou muito a comunidade: Em 2002, dois membros da Associação Comunitária Jardins de Petrópolis idealizaram e levaram adiante, via Associação, uma proposta para transformá-la em área para construção de prédios públicos e comércio (imagem 2 acima). Um desses membros, à época, era também membro do Conselho de Defesa do Meio Ambiente – CODEMA de Nova Lima. Nós, cidadãos contrários a essa proposta absurda, conseguimos, junto com o Ministério Público, extinguí-la. Em 2005, essa área verde deixou de ser recuperada, revitalizada e de ganhar um Centro de Educação Ambiental, onde os cidadãos poderiam ter oficinas de meio ambiente e realizar atividades ecológicas. O motivo foi a falta de interesse da Associação/Condomínio JP, cujo síndico era um desses dois indivíduos que em 2002 quiseram transformá-la em área para comércio e prédios públicos. Os custos para revitalização seriam bancados por um empresário de Nova Lima (clique aqui para ler texto e documento sobre essa questão). O prejuízo sócio-ambiental é incalculável, e ficará para sempre na memória, na história do JP. Atualmente, estamos tentando junto ao Ministério Público, fazer com que um proprietário de chácara/invasor, que até o dia 26 de agosto de 2006 tinha sua casa, sua piscina e sua área de lazer construídas dentro de outra área verde pública do bairro, revitalize e construa o Centro de Educação nessa área verde da rua Amendoeiras, como compensação ambiental e sem nenhum custo para a comunidade. Enquanto os nova-limenses comemoram os 308 anos da cidade, a parcela de cidadãos do JP que respeita e quer a biodiversidade do bairro preservada lamenta a falta de interesse, o descaso para com a comunidade que prevaleceram e ainda prevalecem no Jardins.
Agradecemos ao Jornal Folha de Nova Lima o convite e a oportunidade.
Leia nesse blog a reportagem "Área verde prejudicada mais uma vez" (Folha de Nova Lima)
Luís Eduardo Lemos, morador e representante do JP nos 308 de Nova Lima

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

JARDINS NA MÍDIA, MAIS UMA VEZ

Os principais jornais de Nova Lima, mais uma vez, publicam, com destaque nas capas, os casos de degradação ambiental que já fazem parte do cotidiano do JP (clique nas imagens acima para ampliá-las). Mesmo assim, nenhuma ação, nenhuma atitude eficaz e enérgica contra essas degradações são tomadas pelas instituições que atuam no bairro. A omissão, o descaso, o desrespeito de alguns proprietários de chácaras com o bem público e ambiental, mas, principalmente, a certeza que eles tem da impunidade e de que terão a ajuda e o empenho dessas instituições para atendimento aos seus interesses, ameaçam a preservação da região. Esse é o reino, PODRE, do Jardins!!
“Os cães soltos na rua fotografados pelo nosso “vigilante do Meio Ambiente” são viralatas inofensivos dando sua passeada diária, cochilando e demarcando seu território no meio de nossas ruas poeirentas (...)”. (Associação Comunitária Jardins de Petrópolis; informativo Jardins Informa, N° 29, junho/2008, pág. 8).

Luís Lemos, cidadão, morador do Bairro Jardins de Petrópolis

sábado, 3 de janeiro de 2009

Fauna silvestre se revolta no Jardins

Há casos que parecem só ocorrer no Jardins de Petrópolis, tamanha a omissão e a inércia no trato das questões ambientais: Um cão, dentre as dezenas que ficam soltos pelas ruas e áreas de preservação da região, foi morto por bando de quatis. Os quatis são animais da fauna silvestre brasileira, habitam as Florestas Amazônica e Atlântica. É um animal muito ativo e andam em grupos de até 20 indivíduos. Tem o comprimento total de 70 a 120 centímetros, pesando de 3 a 6 kg. Alguns machos vivem solitários, enquanto as fêmeas formam grupos com seus filhotes e jovens. É um animal terrestre, mas também habita árvores; sua dieta é bastante variada incluindo frutos, insetos, aranhas e vertebrados terrestres e aquáticos (clique na imagem acima para ampliá-la). Os quatis, até alguns anos atrás, eram freqüentemente vistos no JP atravessando ruas e em cima de árvores. Mas, com o número cada vez maior de cães de proprietários de chácaras/condôminos que ficam soltos pela região, eles e diversas outras espécies da fauna silvestre estão desaparecendo. O cão morto foi tentar pegar um quati, mas o bando o encurralou, matando-o. Os cães caçam e matam os animais da fauna silvestre que tem, ou tinham, o JP como habitat natural. Esse fato ocorrido foi um caso excepcional, já que a fauna silvestre é que sempre fica em desvantagem. Há alguns anos, dois cães da raça Rottweiller mataram um filhote de veado mateiro, animal ameaçado de extinção. Outras espécies da fauna silvestre, como coelhos tapetis e tatus (clique aqui e vejam artigo e fotos), também são vítimas desses cães que ficam soltos. Pessoas também sofrem: uma criança foi atacada por um cão de um proprietário de chácara há alguns meses. Reportagens sobre esses massacres foram publicadas nos principais jornais de Nova Lima; denúncias foram feitas ao "Condomínio Jardins de Petrópolis" e ao IBAMA (processo 4540/2007). Precisamos dizer se adiantou alguma coisa? (clique aqui e veja postagens sobre esses assuntos). O interessante é que discursos e poesias sobre meio ambiente estão na moda no JP, mas ações e atitudes para combater a degradação, os crimes ambientais, a covardia que vem sendo cometida contra a biodiversidade, INEXISTEM. Enquanto isso, os animais da fauna silvestre se revoltam e tentam se virar sozinhos, e nesse caso dos quatis, em bando.
"Quando agredida, a natureza não se defende. Apenas se vinga." (Albert Einstein)
Luís Lemos, morador do Jardins de Petrópolis

* HISTÓRICO DO JARDINS *

O Bairro Jardins de Petrópolis situa-se em Nova Lima-MG (Coord. geogr. 20°01'26"S e 43°52'54"O), a 20 km de BH, com acesso pela rod. MG-030. Está a 8 km de São Sebastião das Águas Claras (Macacos).

Características da região:

Era uma fazenda que na década de 70 foi loteada, transformando-se em áreas de chácaras para lazer e descanso. Pertence à Área de Proteção Ambiental Sul (APA - SUL) da RMBH, sendo classificado como Zona de Uso Predominantemente Residencial de baixa densidade demográfica (ZOR3). Possui área total de 633 hectares (sua área é maior que a sede do município), dividida em 843 chácaras de áreas mínimas de 5.000 m². Ainda pouco povoado, conserva na maior parte de seu território uma rica biodiversidade remanescente de Mata Atlântica. Situa-se às margens de uma serra denominada Morro do Pires, que embeleza a região com seu magnífico porte e que pode ser avistada de qualquer parte em que se esteja do residencial. Possui áreas verdes (áreas públicas) reservadas, que somam 740.000 m² de mata nativa com nascentes e córregos que deságuam no Ribeirão dos Macacos. No JP vivem diversas espécies da fauna e flora brasileira, como os mamíferos (veado campeiro, tatus,macacos e, até mesmo, as onças jaguatirica e suçuarana); aves (saíras, tucanos, pica- paus); répteis e anfíbios. A flora é constituída por uma vegetação que reúne espécies que variam entre o campo de altitude, cerrado e matas de galeria. Na parte mais baixa, por onde correm os vários cursos d'água, concentra-se uma vegetação de grande porte (mata de galeria), composta de várias espécies nobres como jacarandás, ipês, jequitibás, dentre várias outras (existe um jequitibá no JP que são necessárias cinco pessoas para abraçá-lo).

*** LOTEAMENTO FORA DA LEI ***

O loteamento Jardins de Petrópolis NÃO POSSUI LICENCIAMENTO AMBIENTAL. É URGENTE, que o Estudo de Impacto Ambiental - EIA/Licenciamento Corretivo sejam elaborados, visando a preservação de um riquíssimo patrimônio natural que a cada dia vem sendo destruído. Enquanto não forem feitos, o loteamento estará IRREGULAR, FORA DA LEI, em DESACORDO com a legislação ambiental.

JARDINS DE PÁSSAROS AO SOM DE VIOLA (AUMENTEM O SOM!)

Esse vídeo também está postado em: http://ecoeantigos.blogspot.com

Luís Lemos

CRIME CONTRA A NATUREZA: QUEM VOCÊ PENSA QUE É, "CONDOMÍNIO" JARDINS DE PETRÓPOLIS?

PÉSSIMO EXEMPLO! ONDE? NO JP, É CLARO!!

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE

DESCASO COM O MEIO AMBIENTE: O RETORNO

TRIBUTO AO JARDINS DE PETRÓPOLIS (c/som)

OPINIÃO PRESERVEJP

O Bairro Jardins de Petrópolis, com o crescimento dos últimos anos, vem passando por inúmeros problemas que ameaçam a preservação de seus recursos naturais. As questões ambientais não estão sendo tratadas com o devido respeito e com a importância que a região merece. Por possuir remanescentes de Mata Atlântica, inúmeras nascentes, córregos e várias espécimes da flora e fauna brasileira, é urgente, que medidas para a proteção dessa biodiversidade sejam tomadas. Instituições que deveriam por em prática mecanismos e ações de controle e fiscalização, além da adoção de políticas que priorizem a preservação do ecossistema local, não estão atuando de modo a inibir e acabar com a degradação existente. No bairro prevalece a política do “fingimos que não vemos”, onde quem é “amigo” e “sócio” fica isento do cumprimento de normas, leis e punições. Invasores de áreas verdes PÚBLICAS ficam impunes e sem ter que compensar os prejuízos causados ao meio ambiente; obras são iniciadas sem licenciamento ambiental; ilegalidades são aceitas e, por esses motivos, a rica biodiversidade do JP está ameaçada. Discursos hipócritas e poesias, ao invés de ações enérgicas contra quem degrada o patrimônio natural, não diminuirão, não acabarão com o caos ambiental vigente no, ainda, mas não se sabe até quando, paraíso ecológico Jardins de Petrópolis.

A VIDA CAMINHA NO JARDINS (FUTURA MAPAPALO)


O QUE ESTÃO FAZENDO E DEIXANDO QUE FAÇAM À BIODIVERSIDADE DE NOVA LIMA (c/som)

RECURSOS HÍDRICOS: Clique na foto e leia reportagem sobre o JP

Natureza em família


VÍDEO: MORTE NO JP (c/som)

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS

Áreas verdes PÚBLICAS INVADIDAS POR PROPRIETÁRIOS DE CHÁCARAS
Faixa esticada no acesso a Macacos e ao JP (clique na foto acima e leia texto sobre essa questão)

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"

Novo mapa do JP: área verde "antes e depois" da "legalização da invasão"
Clique no mapa acima e leia texto sobre essa questão

ÁREA VERDE INVADIDA

ÁREA VERDE INVADIDA

INVASÃO POR SATÉLITE

INVASÃO POR SATÉLITE
Faz um ano e meio que houve a "legalização da invasão" da área pública e até hoje não existe cerca separando a propriedade particular da área verde. Os animais da fauna silvestre estão sendo massacrados por cães e gatos

Reportagem sobre "legalização da invasão"

Reportagem sobre "legalização da invasão"

"Parecer favorável" à legalização da invasão

"Parecer favorável" à legalização da invasão
Que autonomia e autoridade uma associação de moradores tem, através do seu “Departamento de Meio Ambiente”, para dar um parecer favorável em uma questão que cabe apenas aos órgãos ambientais? Um parecer dado em 1999, e assinado por quem não é mais proprietário de terreno no JP, nem membro da associação, tem validade em 2005?

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagens sobre "Jequitibá do JP" nos jornais Diário da Tarde e Hoje em Dia

Reportagem sobre Fauna massacrada

Reportagem sobre Fauna massacrada
Jornal Folha de Nova Lima

JP perde Centro de Educação Ambiental

JP perde Centro de Educação Ambiental

Reportagem sobre Agenda 21

Reportagem sobre Agenda 21
Jornal O Correio, seção meio ambiente, 11 de junho de 2005

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão

Censura, arbitrariedade e desrespeito à liberdade de expressão
"Condomínio Jardins de Petrópolis" e Prefeitura de Nova Lima impedem liberdade de expressão do movimento de cidadania PreserveJP". A faixa do movimento, que anunciava o endereço do blog, foi retirada por essas intituições, que não querem que os cidadãos que se preocupam com a preservação ambiental sejam informados sobre o que vem ocorrendo com o patrimônio público e ambiental de Nova Lima

Informativo ambiental do JP

Informativo ambiental do JP
Receba o PRESERVE por e-mail: envie mensagem para preservejp@gmail.com e saiba o que vem ocorrendo com o meio ambiente de uma linda região remanescente de Mata Atlântica

Cartilha de Meio Ambiente

Cartilha de Meio Ambiente

Receba a Cartilha por e-mail, e saiba como agir para a preservação da região que você e sua família escolheram para morar e viver junto à natureza. Envie mensagem para: preservejp@gmail.com

DEPOIMENTO DE UMA CIDADÃ NOVA-LIMENSE

Prezado Luís,

Li todas as informações no PreserveJP... e achei fantástico. Sou nascida e vivente em Nova Lima. Aqui nasci, cresci, casei-me, sou mãe de três filhos, trabalho, sou pedagoga, tenho 62 anos e com alegria e tristeza cheguei ao final do seu blog.

Alegria.... Por termos uma natureza exuberante com uma flora e fauna como se fossem um brinde majestoso dado pelo Criador. Ele confiou quando presenteou-nos com esta dádiva. Serras azuis, verdes e multicores, bichos numa diversidade absurdamente integrada, sons, cheiros, barulhos. E ver e sentir um jovem consciente de uma responsabilidade vital e com olhar lá na frente é envolvente.

Tristeza.... Quando ouso pensar e vislumbrar o Criador, cabisbaixo, estarrecido numa constatação de erro ao confiar no Ser (?) humano um Planeta maravilhoso. Estragar este presente é falta de discernimento, falta de amor, é negar a vida.

Ao ver e ouvir o "Canyon no Córrego dos Macacos", vi águas falantes, tristes, perguntando sobre que direito tem o bicho humano de chegar, tomar posse e destruir como se fosse o Senhor da Razão e da Vida. Fiquei, no mínimo, arrasada. Aquelas águas falam.

Gostei. Não. Apaixonei-me pela causa, pela pessoa, pelos textos, pelas imagens, por todos os bichos das matas, pelas águas, pelas montanhas.
Continue. Dou-lhe o maior incentivo na forma de energia positiva. Afinal, a causa é por Nova Lima, a minha Nova Linda! Um grande abraço,

Mariléa Dieguez Protzner Peixoto - Pedagoga - Nova Lima - MG

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

JP visto do alto - Região remanescente de Mata Atlântica

RESPEITE O JARDINS DE PETRÓPOLIS

Em toda parte do planeta, sábias civilizações, tribos indígenas e grupos humanos de diversas crenças e culturas acreditam que existem entidades e espíritos que povoam, governam e protegem os ambientes da natureza, como o campo, as florestas, as montanhas, os rios, o mar, os animais, enfim, toda a biodiversidade. Vários estudiosos, expedicionários, viajantes, caminhantes e atletas, que por esses ambientes passam, também acreditam profundamente na existência deles. É muito conhecida a idéia de que o alpinista alcança o cume de uma grande montanha não quando ele quer ou pode, mas, sim, quando “A Montanha assim o permite”. Assim, antes de entrar e se aventurar no mar, num rio, numa floresta, você não precisa conhecer e seguir determinado ritual perante as entidades que lá estão. Simplesmente pare, observe a sua volta e escute. Assuma uma atitude acima de tudo, de muito respeito. Seja humilde. E peça licença para entrar, e proteção para sair. Certamente, dependendo do seu comportamento, as entidades lhe ouvirão. O Jardins de Petrópolis também tem suas entidades e espíritos que o governam e o protegem. Vamos respeitá-las. Dependendo do nosso comportamento, das nossas atitudes perante essas entidades e à biodiversidade, teremos esse paraíso ecológico preservado para nossos filhos, para as futuras gerações.
Luís Eduardo Lemos - Adaptação do texto do "Guia para Esportes de Aventura", do médico Clemar Côrrea

MANIFESTAÇÕES DE APOIO E ELOGIOS AO NOSSO TRABALHO

"Olá Luís Eduardo:

Parabéns pela sua luta. Com certeza você tem inspiração divina para reunir tanta força. Luta contra os insensíveis poderosos que por um punhado de dólares vendem a própria mãe. Postei sua matéria num bloguinho mais light que criei recentemente; http://ecoeantigos.blogspot.com/ O Blog anterior é este aqui, onde também repercuti seu valoroso Blog; http://www.desabafolandia2.blogspot.com/ Grande abraço nobre companheiro e que Deus te dê todas as forças necessárias para continuar o embate".

Sérgio

"Prezado Luis Lemos,

Como proprietário (futuro residente) compartilho com vc a luta pela preservação do nosso JP, e nesta data quero desejar um feliz 2008, que tenhas forças e comprometimento dos proprietários do JP para continuar com a árdua peleja pela manutenção da natureza no seu estado o mais natural possível. Um grande abraço,"

Nilson

Salve Luís, Muito bom o blog. Parabéns pela sua luta incansável! Cara é foda concientizar as pessoas, e mostrar o impacto q causam como no caso do ataque dos cachorros ao filhote de cervo q vc cita. Lugar de cachorro é na cidade!E por aí vai...É um belo local! O Brasil é realmente muito gde com muitos recônditos q nem imaginamos...Paz e luz!

Wagner Rodrigues - São Paulo - SP

"Nesse feriado de 15/11/07 tive o privilégio de conhecer o Jardins de Petrópolis no município de Nova Lima/MG e me encantei pela paixão com a qual luta Luís Eduardo Lemos pela preservação da fauna e flora da região local. Se tivéssemos mais pessoas como ele no nosso doente planeta Terra, certamente não estaríamos no caos que vivenciamos hoje. À você Luís Eduardo, e a todos os que abraçam essa nobre causa, o meu recado: INSISTAM, RESISTAM, PERSISTAM E JAMAIS DESISTAM...A Terra e seus habitantes agradecem.Parabéns pelo belo trabalho realizado!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Haylla Cavalcanti - Goiânia/GO

"Caro Luis Lemos,

Com muita satisfação recebi e acessei o blog do JP. Felizmente ainda podemos encontrar pessoas como vc, que é sim o verdadeiro guardião da natureza, que demonstra total equilíbrio e conhecimento com as suas atitudes e mostra todas as adversidades que se possa encontrar quando alguém tenta ser últil na preservação do meio ambiente. Sei que é uma briga de titãs, mas tentando se consegue, basta querer. Continue, sua luta é nobre, pois, quando a mãe natureza cobrar o seu espaço, só haverá um perdedor, "O HOMEM". Atenciosamente,

Mauro Reis de Aguilar - Polícia Ambiental de Nova Lima

"Luiz Eduardo,

muito obrigado pela apresentação de seu blog, o qual considerei excelente. Como amante da natureza, considero muito importante essas iniciativas que chamam a atenção das comunidades para com o devido tratamento a ela.

Cumprimento-o pela brilhante iniciativa, e que luzes Divinas o iluminem para que essa página seja cada vez mais otimizada, e que maiores camadas sociais a leiam e interajam."

Atenciosamente,

Roberto Félix

"Prezado Luís Lemos,

Parabéns pelo belíssimo, oportuno e necessário serviço de divulgação."

Atenciosamente,

Mônica Eustáquio Fonseca

"Caros organizadores,

Parabenizo a toda a equipe pela iniciativa do blog. Se todos tivessem esta disposição muitos dos conflitos locais poderiam ser divulgados e quiçá equacionados."

Bom trabalho a todos,

Isis Rodrigues Carvalho

"Oi Luis, como vai você? Poxa, você está lutando mesmo pelas causas ambientais. Eu sei que nosso trabalho é árduo, mas é persistir mesmo sem deixar nos abater. O Blog está ótimo, parabéns!"

Dirce, cidadã novalimense

"Luis, tudo bem? Acabo de fazer um bonito passeio pela natureza visitando o blog do JP. Ficou muito bom. Sinto esperança ao perceber que existem pessoas como vc que lutam pelo equilíbrio do sistema em que vivemos. O planeta terra ainda respira e suspira pela preservação de suas espécies. De nada adianta o progresso e o conforto que esse apregoa se não houver equilíbrio entre os seres vivos. Tudo que respira quer viver. Estou preocupada com a atividade de mineração no entorno de BH, precisamos ficar atentos com a fiscalização do MP e do IBAMA. Vamos em frente, a luta continua". Abraço,

Cláudia

"Prezado Luís,

Com satisfação acusamos o recbimento do Preserve JP. É alentador saber que existem pessoas que tranformam a sua preocupação e indignação em militância para as boas causas. Conte sempre com o nosso gabinete na Câmara de Vereadores de Nova Lima. Receba o nosso abraço,"

Marcelino Antônio Edwirges - Vereador-PT

"Oi Luis, tudo em paz? Obrigada pelas notícias do preserve jp, é sempre bom ter notícias de uma região tão linda como a nossa. Sempre bom tb ver que tem alguém como vc observando com atençao e energia o que pode ser feito pela preservação do meio ambiente. O mais importante é ter foco no que se acredita e nunca, nunca mesmo, desistir. Parabéns pelo seu trabalho,"

Cláudia Silva

"Luis,

Bom dia! Somos um grupo de moradores do Jardim Serrano que nos interessamos a colaborar e atuar efetivamente para a preservação da região. Esperamos um contato.
Abraços,"

Luciana Duarte


"Prezado Luiz,

Visitei o Blog preservejp e considero uma iniciativa importante para fomentar informações a respeito da preservação. Somente quando as pessoas são bem informadas podem se conscientizar e ter responsabilidades.

Gostaria de sugerir, se for possível, a inserção do link da AMDA no Blog; temos lutado muito pela preservação do Estado e a região da Apa Sul tem sido contemplada por várias ações nesse sentido.
Um abraço,"

Elizabete


“Luis Eduardo,

Parabéns pela perseverança. A equipe do JP está fazendo um trabalho maravilhoso. O mundo precisa de pessoas como vocês, pessoas que acreditam e lutam em favor da VIDA. Eu também venho trabalhando em favor da preservação de uma área que, até a década de 80, formava um corredor ecológico com a Mata do Jambreiro. Precisamos trocar figurinhas. Tenho muito a aprender com vocês. Faça contato. Mais uma vez. PARABÉNS! Contem comigo.”

Eliana/SMAMA BH- Gerência de Educação Ambiental


Frases e citações do Movimento PreserveJP

"SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS, VAMOS DEFENDER A BIODIVERSIDADE DO JARDINS DE PETRÓPOLIS. SÓ ENQUANTO RESPIRARMOS."

Cidadãos do Movimento PreserveJP (adptação da letra da música "O anjo mais velho" - Trupe do Teatro Mágico)

"NÃO ACEITAMOS E NÃO ADMITIMOS QUALQUER TIPO DE CENSURA À NOSSA ATIVIDADE LÍCITA E CÍVICA, A SABER, A NOSSA LIVRE EXPRESSÃO DE OPINIÃO, O NOSSO EXERCÍCIO DE CIDADANIA"

Luís Lemos, cidadão, e sempre, não por hora, defensor incondicional do patrimônio ambiental do JP


"NUNCA DUVIDE DA CAPACIDADE DE UM PEQUENO GRUPO DE DEDICADOS CIDADÃOS PARA MUDAR OS RUMOS DO PLANETA. NA VERDADE, ELES SÃO A ÚNICA ESPERANÇA DE QUE ISTO POSSA OCORRER" Margareth Nead


"CORAGEM NA ESPERA PÚBLICA PRESSUPÕE MOSTRAR AOS OUTROS, POR MEIO DA PALAVRA E DA AÇÃO, PARA O MELHOR E O PIOR, QUEM SE É E DO QUE SE É CAPAZ" Hannah Arendt - filósofa


Avifauna do JP: Tangará dançador

Avifauna do JP: Tangará dançador

MOSAICO - JP FAUNA

MOSAICO - JP FAUNA
Aves Socó e Gavião, lagarta e sapinho

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

AVIFAUNA DO JP: PICA-PAU

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?

ONG (MAIS UMA) CRIADA NO JARDINS. QUEM A SUSTENTA?